Fórmula Infalível Para Tingir os Cabelos

Fórmula infalível Para Tingir os Cabelos

 

Elisa Mattos


Cena: noite de sábado, três amigas jantam num restaurante japonês, em Brasília. Entre um sushi e outro, uma delas explica como é tranquilo e econômico esconder os fios brancos sem ser submetida às aporrinhações de um salão de beleza. Faça você mesmo. Decidi então socializar as valiosas dicas, nada de guardar segredos. Vamos lá?

Na véspera, desmarque todos os compromissos. A jornada será longa. Acorda cedo e saia para comprar o jornal mais gordo da banca. Leia tudo para não perder as informações. Vista a mais surrada roupa que tiver. Desocupe o banheiro de roupas e objetos e forre todo ele com as folhas do tal jornal. Passe hidratante no corpo inteiro, inclusive nas solas dos pés, ficará mais fácil remover a sujeira. Depois, reparta o cabelo em 387 rococós iguais (lembrou de comprar as 5 caixas de grampos?).

Bem, o tempo voou e deu fome braba. Melhor almoçar logo, para evitar uma hipoglicemia. 

Duas horas depois. Mãos à obra. Siga as instruções. Mexa o creme durante ½ hora para obter consistência. Agora sim, começa o processo de tingimento. Passe a tinta va-ga-ro-sa-men-te em cada mecha e refazendo os rococós.

Em Brasília, 19 horas! A Voz do Brasil está no ar. Deu fome de novo? Tome uma sopinha, coisa leve, não é legal lavar os cabelos de barriga cheia. Vontade de desistir? Azar o seu! A tinta já está na cabeça fazendo efeito. Se parar no meio, as mechas vão virar um arco-íris! Mais duas horas de resiliência. Deu sono? Resista! Tome duas latinhas de refrigerante à base de cafeína.

Finalmente, hora de retirar a tintura! Mas como fazer para não manchar o porcelanato branco do banheiro? Não dá pra forrar o box com jornais. Simples, lave os cabelos agachada e sem agitar as mãos para não respingar tinta na parede.

Ufa! Saindo do chuveiro, amém!

Como não é bom dormir de cabelos molhados, vá passear com o cachorro, o friozinho da madrugada ajudará a secar a cabeleira e ganhar brilho extra com o reflexo da lua.

No dia seguinte, enfim, a magia refletida no espelho: você acordará plena, linda, feliz, invejada! 

*Depois de ler o original, a amiga me corrigiu. “Não é tinta, é hena. Super natureba, sem aditivos, amônia, com óleos essenciais”.

Conclusão: não importa se é tinta química ou hena ou guache ou corante de bolo, o que importa mesmo é ter com quem dividir uma mesa, dar boas risadas e ter a certeza que são nos detalhes que a vida se mostra mais perfeita.

 


Elisa Mattos é jornalista, escritora e poeta. Integra o Núcleo de Escritoras Pretas Maria Firmina dos Reis do Instituto de Letras (IL/UnB).